7 de Agosto – O Caminho à Almeirim

Ficamos alguns dias em Macapá e vimos um pouco da capital amapaense. Além de conhecermos a imponente Fortaleza, nos divertimos bastante no monumento Marco Zero! Tínhamos a intenção de conhecer algumas das várias reservas do Amapá, mas após uma longa conversa com o pessoal do Meio Ambiente vimos que as coisas não eram nada simples. Precisaríamos de mais tempo e dinheiro, pois a maioria das reservas são bem afastadas e com acesso difícil, além de restrito. A Reserva Cariaú não fica longe da cidade e o acesso é fácil, então fomos até lá. Gostamos bastante, pois além de ser um lugar bem tranquilo vimos búfalos e muitas aves. Podemos dizer que foi só um gostinho, mas voltaremos para conhecer mais, inclusive o próprio Cabo Orange!

Nosso plano inicial era então retornar a Belém para curtir mais a cidade e os amigos que ficaram por lá, além de visitarmos a Ilha de Marajó. Porém, após avaliarmos a situação, os planos mudaram e infelizmente nosso retorno a Belém ficaria para outra oportunidade.

Durante algumas conversas com os caminhoneiros na balsa e no porto, descobrimos que havia uma estrada de Macapá até Almeirim, uma pequena cidade no Pará. Nos disseram que de lá conseguiríamos balsa até Santarém ou Manaus. Sabíamos que podíamos chegar lá e não encontrarmos um barco onde o Snoopy coubesse, forçando-nos a retornar, mas resolvemos arriscar e foi uma ótima decisão!

Esta viagem pelo meio da Floresta Amazônica foi incrível! Foram três dias no meio da mata sem encontrar ninguém, acampando selvagem e ouvindo apenas o barulho da natureza. Se bem que em um dos locais que acampamos, levamos um susto de manhã cedo quando apareceu um senhor com um facão na mão. Como ele estava com seu filho, ficamos mais aliviados e conversamos com ele, mas não parávamos de nos questionar de onde ele havia surgido?

Enfrentamos sol, frio, poeira, chuva, placas bizarras e alguns trechos ruins, mas com cautela superamos todos os obstáculos sem problemas. Nos sentimos minúsculos dentre as enormes árvores e outras vezes chocados ao enfrentarmos o desmatamento e queimadas nas proximidades dos vilarejos.

Já estava escurecendo quando paramos, mas curtimos demais o local onde dormimos a segunda noite! Montamos acampamento e preparamos um delicioso jantar com direito a um bom filé a cavalo. Na manhã seguinte, exploramos um pouco mais a região, antes de organizarmos tudo para seguir viagem até Almeirim.

8 comments to 7 de Agosto – O Caminho à Almeirim

  • Wonderful blog! I found it while searching on Yahoo News.
    Do you have any tips on how to get listed in Yahoo News?

    I’ve been trying for a while but I never seem to get there!
    Thank you

  • You’re so cool! I do not think I’ve truly read through a single thing like this before.
    So wonderful to find somebody with a few genuine thoughts on this issue.

    Seriously.. thank you for starting this up. This website is one thing that’s
    needed on the web, someone with some originality!

  • If some one wants expert view concerning blogging afterward i recommend
    him/her to visit this webpage, Keep up the fastidious job.

  • Greetings! Very useful advice in this particular post!

    It’s the little changes which will make the biggest changes.
    Thanks a lot for sharing!

  • I could not refrain from commenting. Perfectly written!

  • I really like your blog.. very nice colors & theme. Did you make this website
    yourself or did you hire someone to do it for you? Plz answer back as I’m looking to design my own blog and would like to find out where u got
    this from. thanks

  • Christopher Downey

    Hi again Guys!
    This Macapa-Almerim trip must have been really nice…did you manage to walk into the forest a bit? I guess not much so as not to leave Snoopy…
    What was Rob pretending to stalk in the forest where he’s stepping over some large rock formation it seemed?
    Loved the sign for the curva da morte! Hillarious.
    Love, Dad.

  • Gustavo

    Rob e Grace,
    Não se impressionem quando aparece alguem “do nada” no meio da amazônia. Quando sobrevoamos a selva temos a impressão que lá só tem mato e bicho, mas quando estamos em terra percebemos que há casas em lugares nunca imaginaveis. Rodei muito durante dois anos no Pará e também tive esses “sustos”!
    Boa viagem!

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>